Africa News from AfricaFiles: Promoting African perspectives and alternative analysis for human rights, economic justice, and ecological sustainability in Africa.
Home | About Us | News Feeds RSS | Subscribe | Support Us | User Login | Search

InfoServ Pages
RSS RSS News Feeds
Topics
Africa General
AU/NEPAD
Culture
Ecology
Economic Justice
Food and Land
Gender
Health and AIDS
History
Human Rights
Interfaith Relations
Media
Profiles
Resource Extraction
Youth & Children
Regions
Central Region
Eastern Region
North Africa Region
Southern Region
Western Region
Countries
Angola
Sudan
Zimbabwe

Coordinator's Picks


About InfoServ
Purpose
History
Identity
Editorial Policy
Content
Africa Research Archive
Free E-mail Service
Longer, analytical article.  Manuel Vicente’s raid on Sonangol (em Portugese tambem)

Summary & Comment: Portugese segue embaixo. In 2008, Manuel Vicente, the chairman of the board and director general of the Angolan state oil company, Sonangol, restructured the company and its main subsidiaries for his personal benefit. The same year, petroleum exports exceeded US$62 billion, according to the World Bank: 97.7% of Angola’s exports. These figures demonstrate the crucial role of Sonangol in the country’s political economy. Manuel Vicente did a business deal with himself when he illegally transferred a percentage of Sonangol Holdings into his own name, thus making himself a formal (private) shareholder in virtually all the multi-million dollar deals of the state-owned business... Manuel Vicente is a member of MPLA’s politburo. RMM

Author: Rafael Marques de Morais Date Written: 6 May 2010
Primary Category: Angola Document Origin: makaangola.com
Secondary Category: Economic Justice Source URL: http://makaangola.com/
Key Words: Angola, Manuel Vicente, Sonangol, conflict of interest, profiteering

African Charter Article #25: States shall have the duty to promote and ensure through teaching, education and publication, the respect of these rights and freedoms. (Click for full text...)



Printable Version

1. Manuel Vicente’s raid on Sonangol
2. Manuel Vicente assalta Sonangol
**************************************

1. Manuel Vicente’s raid on Sonangol

http://makaangola.com/wp-content/uploads/Raid-on-Sonangol.pdf

Introduction

In 2008, Manuel Vicente, the chairman of the board and director general of the Angolan state oil company, Sonangol, restructured the company and its main subsidiaries for his personal benefit. The same year, petroleum exports exceeded US$62 billion, according to the World Bank: 97.7% of Angola’s exports. These figures demonstrate the crucial role of Sonangol in the country’s political economy, as the only Angolan concession-holder in the industry. Manuel Vicente did a business deal with himself when he illegally transferred a percentage of Sonangol Holdings into his own name, thus making himself a formal (private) shareholder in virtually all the multi-million dollar deals of the state-owned business.

This action by the chairman of Sonangol must first be put into context in the light of current legislation and the ruling MPLA’s1 rhetoric on the supposed zero tolerance policy towards corruption. Manuel Vicente is a member of MPLA’s politburo. On 25 March 2010, the President of the Republic, José Eduardo dos Santos, signed into force the Law on Public Probity, which is intended to combat corruption. Basically, this new law brings together provisions that are scattered among various laws, including the Law on Crimes Committed by Public Office Bearers (Law 21/90), the Law on State Discipline (Law 22/90), and the Law on the Patrimonial Benefits. These laws in themselves ought to have been enough to stop the large-scale looting of public assets by political leaders and public officials.

Still, through its outright control of the judicial system, the MPLA ensures that these laws are never enforced. So it would be wrong to see the new law as demonstrating the 35-year-old regime’s commitment to separate public interests from the private interests of its leaders. However, citizens need to advocate for the laws to be implemented, and demand that their leaders give account of how public money and assets are managed.

The transfer

On 24 July 2008, Manuel Vicente restructured Sonangol’s charter and completely changed Sonangol Holdings’ social pact, and transferred one percent of the shareholding that had previously been solely owned by the state company to his name. Sonangol Holdings Ltd is a subsidiary of Songanol that was created in 2004. Its current social objective is "to carry out commercial and industrial activities, to manage the share portfolio itself, and to provide technical and administrative services to the designated companies". Sonangol Holdings also holds shares in other companies. In fact, Sonangol Holdings controls the group’s subsidiaries.

As part of the restructuring process, Manuel Vicente arranged his own private participation in the main subsidiaries of the country’s largest public enterprise, as follows:

  • On 23 July 2008, Sonangol transferred to Sonangol Holdings 10% of its shares in Sonair: an aviation company that is 90% owned by Sonangol, and which mostly serves petroleum multinationals and additionally operates executive flights, including flights for the President of the Republic. This administrative deal happened the day before a percentage of Sonangol Holdings was transferred to Manuel Vicente.
  • On 24 July 2008, Sonangol Research and Production increased its public shareholding and admitted a new shareholder, Sonangol Holdings, as well as restructuring its social pact. Sonangol Research and Production is the subsidiary responsible for prospecting, research, and the production of hydrocarbons. This makes it the most important source of revenue for Sonangol, which holds 90% of its shares, while Sonangol Holding holds the remaining 10%.

The case of Sonangol Research and Production deserves more attention. The 10% that Manuel Vicente transferred to Sonangol Holding had, since 1992, belonged to Albina Assis, who at the time was chairwoman of Sonangol. She supposedly held the shares as the representative of the company’s employees and other beneficiaries. In terms of the article dealing with capital subscription in the statute that established the Sonangol Research and Production on 26 November 1992, Sonangol should own 90% of its capital, the remaining 10% being held by its employees and private shareholders.

The transfer of 10% of Sonangol Research and Production’s shares to a private group represented by Albina Assis occurred, according to official information, with the authorisation of Resolution 9/91 of the Permanent Commission of the Council of Ministers. (This appears to be an error; in fact, Resolution 4/91 deals with this matter). At the time, Albina Assis was chairwoman of the Sonangol’s board of directors. This is clearly in violation of the laws which forbid public officials from personally benefiting from deals with the state. A month after the deal she became Minister of Petroleum, a role which she occupied until 1999. She is directly answerable for the hundreds of millions of dollars of Sonangol Research and Production revenue that constitute the 10% supposedly intended for employees.

It is noteworthy to emphasize that there are no public records of any meeting of Sonangol staff to share the dividends from the 10% of Sonangol Research and Production that they supposedly owned. It is also unknown who else was part of the consortium headed by Ms Assis. All that is known is that she took control of the 10% share.

  • On 24 July 2008, Sonangol Holdings assumed a 10% share in Sonangol Distribution, which distributes and markets fuel and gas for Angola’s internal consumption. Sonangol holds the remaining 90%.  
  • On 8 September 2008, Sonangol Holdings took control of 10% of Sonangol Logistics, which looks after the storage, marketing and transport of fuel "at the level of the entire petroleum market."

The Law on Public Probity

Manuel Vicente’s self-dealing, as described above, blatantly breaks the law. Article 25 (a) of the Law on Public Probity makes it illegal for a public official to receive a cut of a deal in which he or she has decision-making powers or influence. In the case of Manuel Vicente, he sold, offered or illegally transferred the Sonangol shares for his personal benefit. This act constitutes the crime of active corruption as defined in articles 318 and 321 of the Angolan Penal Code. Mr Vicente received a percentage of Sonangol Holdings through a decision authorised by himself as chairman of the board of directors and director general of Sonangol. The Penal Code provides for a prison sentence of between two and eight years for such cases of corruption.

Moreover, Article 26 (a) of the Law on Public Probity sees an action of this kind as something that harms public goods by causing public assets to be transferred to a private individual. Article 31 (c) insists on the complete repayment of goods or funds alienated from the public purse. Manuel Vicente is legally required to hand back the percentage that was transferred into his name.

Sonangol’s response

On 17 April 2010, the weekly paper Seminário Angolense exclusively published a summary of this investigation. Sonangol’s management responded on 20 April with the following statement.

  1. "Sonangol SGPS was established in September 2004 with the purpose of managing Sonangol EP2’s investments in other firms.
  2. In 2007, Sonangol carried out a restructuring of the shareholding structure of its subsidiaries. During discussions on 5 March 2007 the board of Sonangol EP decided that 99% of the shares in Sonangol SGPS would be held by Sonangol EP and 1% by the chairman of its board. Its shareholding structure was duly changed in April 2007 and in July 2009 its statutes were completely overhauled, and its trading name changed to Sonangol Holdings. In this way Sonangol Research and Production was taken out of the company’s shareholding.
  3. Manuel Vicente was entrusted in the name of the state to hold 1% of the capital of Sonangol Holdings, since it is not permitted to set up or maintain companies with only one partner or shareholder."

The arguments presented by Sonangol seem to suggest that one has to commit an illegal act in order to fulfil a legal requirement. There is no law in Angola that permits a citizen in his private capacity to represent the state’s financial participation in any business, public or private. Moreover, the bylaws of Sonangol Holdings – the document that is the legal guarantee of the firm’s existence – contains no clause that provides for Manuel Vicente’s participation as a representative of the state. The usual practice when creating or restructuring publicly owned companies is to form a partnership between two or more companies from the same group, or in partnership with others owned by the state. Sonangol is an example of this, having created and restructured various firms that have entered partnerships with Sonangol’s subsidiaries.

The government, for its part, clarified the doubts surrounding the representation of the state’s capital in business activities. It did so through Despatch number 53/04 of 17 February 2004 by the Finance Ministry, which declares:

  1. "All business shares held directly by the state in various commercial companies will be held by the Angolan Institute of State Participation, in the name of and representing the state." (Article 1)
  2. "The powers conferred by article 1 include the power to exercise the functions of a shareholder or partner." (Article 3)

Conclusions:

Apart from an obscure clause that grants autonomy to strategic companies, Angolan legislation makes no exceptions for Sonangol. Furthermore, Sonangol offered no explanation of the transfer of shares to Albina Assis. In April this year, Ms Assis returned to Sonangol as a member of the board of directors. Resolution 4/91 of the Permanent Commission of the Council of Ministers, signed by President José Eduardo dos Santos on 6 December 1991, unequivocally confirms (in article 4 of the preamble) the participation of workers and private shareholders in Sonangol Research and Production. Sonangol Research and Production’s own statues, approved by the president on the same day, confirm in article five that the company is to be owned 90% by Sonangol, with the remaining 10% of shares to be held by employees "of Sonangol, of the company itself and other shareholders

Contact Rafael Marques de Morais at: 
rm_demorais@hotmail.com

Notes:

  1. MPLA is the Portuguese acronym for the Popular Movement for the Liberation of Angola.
  2. EP is the Portuguese acronym for Public Company.

**********************************************

2. Manuel Vicente assalta Sonangol

Introdução

Em 2008, o presidente do Conselho de Administração e director-geral da Sonangol, Manuel Vicente, procedeu à reestruturação das principais subsidiárias da empresa petrolífera estatal para enriquecimento pessoal. No mesmo ano, as exportações de petróleo, segundo o Banco Mundial, ultrapassaram os 62 biliões de dólares, representando 97.7% das exportações do país. Esses dados revelam, de certo modo, a importância estratégica da Sonangol, enquanto concessionária nacional, na economia política do país. Manuel Vicente fez negócio consigo próprio transferindo, de forma ilegal, um porcento da Sonangol Holdings para o seu nome pessoal, tornando-se assim sócio formal da empresa pública em quase todos os seus negócios multimilionários.

O acto do principal gestor da Sonangol deve, antes, ser contextualizado à luz da legislação em vigor e da retórica do MPLA, partido no poder, sobre a política de tolerância zero contra a corrupção. Manuel Vicente é membro do Bureau Político do MPLA. A 25 de Março de 2010, o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, promulgou a Lei da Probidade Pública, como um instrumento jurídico destinado ao combate à corrupção. Essa lei apenas integra normas dispersas em várias disposições legais que, de per si, se achavam suficientes para impedir a terrível onda de saque do património público, por parte dos dirigentes e gestores públicos.

Todavia, através do controlo absoluto do sistema judicial, o regime do MPLA neutralizou, na prática, a aplicação das referidas leis. Por isso, a nova lei não é um teste à vontade política do actual regime, no poder há 35 anos, em exercer o poder separando o público dos interesses pessoais dos seus titulares. Contudo, os cidadãos devem exigir o cumprimento das leis e exigir a prestação de contas por parte dos dirigentes pela gestão de fundos e bens públicos.

A transferência

A 24 de Julho de 2008, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Manuel Vicente, procedeu à reestruração do estatuto e alteração total do pacto social da Sonangol Holdings Limitada, tendo transferido um porcento da sociedade, integralmente detida pela empresa pública, para seu nome próprio.

A Sonangol Holdings Limitada é uma subsidiária da Sonangol, criada em 2004, cujo objecto social actual é "o exercício de actividades comerciais e industriais, a gestão de carteira própria de títulos e a prestação de serviços técnicos e de administração e finanças às sociedades denominadas". A empresa participa, também, no capital social de outras sociedades. Em resumo, a Sonangol Holdings controla as subsidiárias do Grupo Sonangol. Como parte da reestruturação, o gestor da Sonangol engendrou a sua participação privada nas principais subsidiárias da maior empresa pública a saber:

  • A 23 de Julho de 2008, a Sonangol transferiu 10% das suas acções a favor da Sonangol Holdings na Sonair. Esta companhia aérea, na qual a petrolífera estatal detém 90% das acções, serve principalmente as multinacionais do sector e opera voos executivos, incluindo para a Presidência da República. O negócio administrativo ocorreu no dia anterior à transferência do porcento da Sonangol Holdings à Manuel Vicente.  
  • A 24 de Julho de 2008, a Sonangol Pesquisa & Produção procedeu ao aumento do seu capital social e à admissão de novo accionista, a Sonangol Holdings, assim como reestruturou o seu pacto social. A primeira é a subsidiária responsável pela prospecção, pesquisa e produção de hidrocarbonetos sendo, por isso, a mais importante fonte de receitas da Sonangol E.P, que mantém 90% da sociedade, enquando a Sonangol Holdings subscreve 10% das acções.

O caso da Sonangol P&P merece comentários adicionais. Os 10% que Manuel Vicente transferiu para a Sonangol Holdings estavam em posse, desde 1992, da então presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Albina Assis, em suposta representação dos trabalhadores da empresa e outros beneficiários. Conforme reza o artigo referente à subscrição de capital, no acto da constituição da empresa a 26 de Novembro de 1992, "a Sonangol subscreve em valores de 90% do capital inicial da sociedade, sendo o restante subscrito por trabalhadores da Sonangol e da sociedade e de outros sócios".

A transferência dos 10% da Sonangol P&P, para um grupo privado representado por Albina Assis decorreu, segundo informação oficial, "em harmonia com a autorização conferida pela Resolução No. 9/91 da Comissão Permanente do Conselho de Ministros". Na verdade, trata-se da Resolução No. 4/91, contrariamente ao mencionado nos estatutos da empresa. Na altura, Albina Assis, que assumiu o controlo das acções oferecidas pela Sonangol, exercia o cargo de presidente do Conselho de Administração da referida empresa. Um mês após o negócio, Albina Assis ascendeu ao posto de ministra dos Petróleos, cargo que exerceu até 1999. A si cabe responder directamente pelo destino dado a centenas de milhões de dólares das receitas da Sonangol, de 1992 a 2008, transferidos para os utentes dos 10% da sociedade da Sonangol P&P.

Não há registo público de reunião de trabalhadores da Sonangol para eventual partilha de dividendos da participação na Sonangol P&P, feita em seu nome. Também não há conhecimento público sobre as eminências pardas do regime que Albina Assis tem representado como sócios da empresa petrolífera. Albina Assis foi desapossada dos 10% das acções na Sonangol P&P e, por ora, nada mais se sabe sobre o assunto.

  • A 24 de Julho de 2008, a Sonangol Holdings foi admitida como nova accionista, com 10% do capital, da Sonangol Distribuidora, que se dedica à distribuição e comercialização de combustível e gás no mercado interno. Como empresa-mãe, a Sonangol E.P. mantém 90% da sociedade.  
  • A 8 de Setembro de 2008, a Sonangol Holdings passou a deter 10% do capital da Sonangol Logística, a subsidiária que se ocupa da gestão, armazenagem, comercialização e transporte de combustível "a nível de todo o mercado petrolífero".

A Lei da Probidade Pública

A negociata viola a legislação em vigor. O artigo 25 (a) da Lei da Probidade Pública estabelece, como acto de enriquecimento ilícito, o recebimento de percentagem em negócio sobre o qual o agente público tenha poder de decisão ou de influência. No caso Manuel Vicente, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol vendeu, ofereceu ou transferiu, de forma ilícita, para seu benefício pessoal as acções da Sonangol na sua holding. A acção de Manuel Vicente é prevista e punível como crime de corrupção activa, de acordo com os artigos 318° e 321° do Código Penal angolano. O indivíduo recebeu, como vantagem patrimonial, a percentagem da Sonangol Holdings num acto por si executado enquanto presidente do Conselho de Administração e director-geral da empresa. O Código Penal estabelece a pena de prisão maior de dois a oito anos, entre outras medidas sancionatórias, para tais casos de corrupção.

Ademais, de forma explícita, o artigo 26 (a) da Lei da Probidade Pública determina o tipo de acção cometida pelo gestor da Sonangol como um acto que causa prejuízo ao património público, por "facilitar ou concorrer por qualquer forma para a integração no património particular de pessoa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial de entidade pública". Os prejuízos da petrolífera nacional, como entidade pública, são maiores porquanto não há registo que Manuel Vicente tenha desembolsado um lwei, a fracção mínima da moeda nacional o Kwanza, pela sua participação, como accionista, no império da Sonangol.

Por sua vez, o artigo 31 (c) "demanda o ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao património …. Ou seja, Manuel Vicente, por lei, tem de devolver a percentagem que, de forma nefária, transferiu para seu próprio nome.

A resposta da Sonangol

A 17 de Abril de 2010, o Semanário Angolense, na sua edição nº 363, revelou em exclusivo, um resumo da presente investigação que ora se publica na íntegra. Em reacção, a direcção da Sonangol emitiu um comunicado de imprensa, a 20 de Abril de 2010, com a seguinte justificação:

  1. "Em Setembro de 2004 foi constituída a Sonangol SGPS com o objecto de gerir as participações financeiras detidas pela Sonangol, E.P noutras empresas.
  2. Em 2007, a Sonangol efectuou um processo de reestruturação da estrutura societária das suas Subsidiárias e dela na deliberação de 5 de Março de 2007 do Conselho de Administração da Sonangol E.P. determina que o capital social da Sonangol SGPS passe a ser detido em 99% pela Sonangol E.P. e em 1% pelo seu Presidente do Conselho de Administração.

    Assim por escritura de Abril de 2007 foi alterada a sua estrutura societária e em Julho de 2009 foram completamente alterados os seus estatutos e modificada a sua denominação social para Sonangol Holdings, Limitada. Desta forma, foi retirada a Sonangol Pesquisa & Produção da estrutura societária da empresa porque ela não está englobada no processo de consolidação na Sonangol Holdings, tão pouco foi substituída por qualquer outra Subsidiária por não se pretender a existência de participações cruzadas.
  3. O Senhor Eng.º Manuel Vicente foi indicado para, em nome e benefício do Estado ser o subscritor de registo de 1% do capital da Sonangol Holdings, Limitada, por não ser permitido constituir ou manter sociedades com apenas um sócio ou accionista."

A certificação da ilegalidade

Os argumentos apresentados pela Sonangol, para justificar os actos da sua direcção deixam entender que se deve cometer um acto ilegal para cumprimento de um requerimento legal. Não existe, no ordenamento jurídico angolano, qualquer lei que permita a um cidadão, como privado, representar participações financeiras do Estado em empresas públicas ou privadas. Outrossim, não consta nos estatutos da Sonangol Holdings, o documento que valida juridicamente a sua existência, qualquer claúsula que determina a participação do sócio Manuel Vicente como representante do Estado. Para a criação ou reestruturação de empresas de capitais públicos é prática corrente a associação de duas ou mais empresas do mesmo grupo, ou em parceria com outras detidas pelo Estado. A Sonangol é exemplo disso ao ter criado e reestruturado várias empresas, emparceirando duas associadas suas, como o texto acima demonstra.

O governo, por sua vez, esclareceu as dúvidas relacionadas com a titularidade e participações financeiras do Estado em empresas, assim como a representação do Estado nas mesmas. Fê-lo através do Despacho nº 53/04, exarado a 17 de Fevereiro de 2004 pelo Ministério das Finanças, que determina o seguinte:

  1. "Todas as participações financeiras detidas directamente pelo Estado nas diversas sociedades comerciais passam a ser tituladas e representadas pelo Instituto Angolano de Participações do Estado, em nome e representação do Estado". (art. 1 da referida lei).
  2. Os poderes conferidos ao abrigo do nº 1 do presente despacho incluem a faculdade de, em nome e representação do Estado, desencadear acções para alterar as escrituras públicas constitutivas das sociedades participadas, bem como, em seu nome e em sua representação, assinar as referidas escrituras públicas, passando directamente a exercer, por excelência, a função de accionista ou sócio". (art. 3, idem)."

Apesar de uma cláusula obscura que confere autonomia às empresas estratégicas, como a Sonangol, da tutela do IAPE, o ordenamento jurídico angolano não oferece qualquer regime de exclusividade legal à Sonangol. Logo o acto mantém-se ilegal. Em relação à transferência de 10% das acções da Sonangol Pesquisa & Produção para a titularidade da então presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Albina Assis, a direcção da Sonangol não apresenta qualquer justificação. A 13 de Abril do corrente, Albina Assis regressou à empresa, na qualidade de membro do Conselho de Administração do Grupo Sonangol.

A Resolução 4/91 da Comissão Permanente do Conselho de Ministros, assinada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, aos 6 de Dezembro de 1991, confirma, de forma inequívoca, a participação de trabalhadores e sócios privados no capital da Sonangol Pesquisa & Produção (art. 4 do preâmbulo):

"A duração da empresa será por tempo indeterminado e o seu capital social inicial será de NKz 30,000,000,00 (trinta milhões de Novos Kwanzas), do qual até 90% será detido pela Sonangol e a restante percentagem pelos trabalhadores do Grupo Sonangol e outros sócios nos termos que ficarem definidos nos respectivos Estatutos." Por sua vez, os estatutos da Sonangol Pesquisa & Produção, aprovados pelo Presidente José Eduardo dos Santos, na mesma data, estabelecem (art. 5) que: "A Sonangol subscreve em valores e bens, 90% do capital inicial da sociedade sendo o restante subscrito por trabalhadores da Sonangol e da sociedade e outros sócios."

Conclusões

É através de actos criminosos, de assalto ao património do Estado, que vários dirigentes do MPLA, no executivo e fora dele, reclamam hoje ser grandes empreendedores, empresários de sucesso e orgulhosos formadores da burguesia nacional. Investidos de tais argumentos, bens alheios, e com o poder arbitrário que o aparato militar e policial do Estado lhes confere, homens e mulheres como Manuel Vicente privam a maioria dos angolanos de uma vida mais humana e condigna. A arrogância, a violência, a corrupção e as cumplicidades internacionais servem, então, de pilares da estabilidade do regime, cuja principal vocação actual é o saque de Angola, a pátria de Njinga Mbande.

Assim, dirigentes da estirpe de Manuel Vicente combinam as piores práticas da oligarquia russa, da classe política nigeriana com os resquícios do Mobutismo para formar a mais famigerada classe política de predadores no mundo.

Contact Rafael Marques de Morais at: 
rm_demorais@hotmail.com

Printable Version

Disclaimer: Opinions expressed in this article are those of the writer(s) and not do necessarily reflect the views of the AfricaFiles' editors and network members. They are included in our material as a reflection of a diversity of views and a variety of issues. Material written specifically for AfricaFiles may be edited for length, clarity or inaccuracies.

     top of page